Skip to main content

Nova habilitação para fisioterapeutas: agora há respaldo direto para atuar com toxina botulínica

O estabelecimento dessa nova habilitação para fisioterapeutas vem garantir o pleno respaldo para prática utilizando toxina botulínica. Saiba tudo sobre essa novidade e sobre as possibilidades que os fisioterapeutas encontram na saúde estética.

A atuação da classe na estética já é uma realidade, conforme suas competências que são reconhecidas e procuradas. Mas o estabelecimento dessa nova habilitação para fisioterapeutas vem garantir o pleno respaldo para prática utilizando toxina botulínica.

Ao longo dessa matéria, você encontra mais detalhes sobre o Acórdão nº 609, de 11 de maio de 2023, que determina a legalidade do uso da substância por fisioterapeutas; mas também aproveitamos para falar de outros procedimentos os quais essa classe pode realizar.

Lendo até o fim, você também vai conferir 3 casos inspiradores de fisioterapeutas que decidiram mudar sua carreira por meio da especialização em Saúde Estética.

A nova habilitação para fisioterapeutas

O respaldo legal traz os profissionais para mais perto do conselho, que observa, regulamenta, concede a habilitação e fiscaliza as práticas de uma classe, o que dá mais segurança, tanto para as condutas profissionais como para os pacientes e sociedade como um todo.

Ao publicar o novo Acórdão, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) determina quais os requisitos para formação e concessão dessa nova habilitação para fisioterapeutas.

Como primeiro critério presente nesse acórdão, fica definido que o fisioterapeuta precisa ter: “Formação específica em cursos de capacitação reconhecidos pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com o mínimo de 50 (cinquenta) horas para o uso da toxina botulínica na área da especialidade de Fisioterapia Dermatofuncional e de 70 (setenta) horas para o uso da toxina botulínica na área da especialidade de Fisioterapia Neurofuncional;”.

Nova habilitação para fisioterapeutas

O terceiro critério também trata de base curricular de formação, ressaltando que 60% do curso deve ser dedicado a práticas presenciais supervisionadas. E ainda se recomenda que essas práticas tenham supervisão com atribuição máxima de 6 alunos por RT.

E, complementar ao que é estipulado no critério de número III, é definido no VIII: “Ao profissional que tenha realizado formação prévia, será permitida a complementação para atendimento desses critérios, desde que atendam à carga horária total e prática mínima de 60% e em instituição regularmente cadastrada ao COFFITO;”.

Os demais requisitos são menos específicos do novo reconhecimento, por isso não destacamos aqui, mas podem ser consultados na íntegra.

Procedimentos estéticos dentro do escopo da fisioterapia

Antes da publicação deste acórdão, outros documentos já tratavam da atuação do fisioterapeuta na estética, em especial as resoluções 362/2009 e 394/2011, ambas a respeito da Fisioterapia Dermatofuncional.

Para a correta normatização das técnicas e recursos próprios da Fisioterapia de Dermatofuncional há ainda o Acórdão nº 293 de 16 de junho de 2012, o qual lista os procedimentos LASER, Luz Intensa Pulsada, Radiofrequência, Carboxiterapia e Peelings como parte da atuação dos fisioterapeutas, e dá outras determinações sobre cada um dos procedimentos.

Dos listados, até então apenas a Carboxiterapia figurava entre os injetáveis. Mas, dentro do escopo da fisioterapia, vale lembrar que práticas injetáveis fazem parte da rotina desses profissionais, em diferentes tipos de tratamentos.

Além de procedimentos para fins estéticos, a Ozonioterapia e outras práticas integrativas também são permitidas ao fisioterapeuta.

E, como lembra o CREFITO da 15ª região, pelo princípio da legalidade, o fato de não haver legislação contrária à prática de procedimentos injetáveis para fisioterapeutas, com tanto que dentro do suas competências e formação, torna tais práticas possíveis dentro da legalidade.

A regulamentação mais ampla, detalhando outros procedimentos da saúde estética e integrativa é pauta frequente em reuniões envolvendo conselhos das diferentes áreas da saúde e órgãos capazes de legislar a esse respeito.

A carreira de fisioterapeutas reais na estética

Como comentado no início do texto, a prática de tratamentos estéticos por fisioterapeutas já é uma realidade, e a oportunidade de utilizar a própria formação em um aspecto de cuidado muitas vezes negligenciado, mas que pode fazer toda a diferença na saúde das pessoas.

A Carla Caporeli é um exemplo disso.

Fisioterapeuta desde 1999, Carla fala com muita satisfação de sua mudança de carreira, mais direcionada a estética atualmente:

A minha vida inteira eu trabalhei com a dor. E hoje vejo que é muito gostoso a gente devolver a autoestima para a pessoa. A pessoa chega para você e não busca uma coisa fútil, mas sim a mudança de autoestima

Carla destaca a flexibilidade de horários como uma das vantagens da área da estética, o que lhe permite conciliar melhor sua vida pessoal com o trabalho.

A fisioterapeuta esteta de São Paulo incentiva outros profissionais da área a considerarem a especialização em estética, destacando o retorno financeiro garantido e o crescimento do setor. Ela acredita que os fisioterapeutas têm habilidades valiosas para oferecer nesse campo e que podem contribuir significativamente para o bem-estar e a autoestima de seus pacientes.

Caso de Sucesso na Saúde Estética – Dra. Carla Montalbo

Abordagem multidisciplinar na fisioterapia estética

Já a Dra. Elisângela Cardoso iniciou sua carreira pela estética e resolveu se aprofundar no cuidado com as pessoas por meio da formação em Fisioterapia, a escolha dessa profissão permitiu que ela combinasse seu cuidado com os pacientes e seu interesse pela ciência.

E, após ter filhos, Elisângela buscava uma profissão que oferecesse flexibilidade de horários e a oportunidade de ser autônoma em sua atuação.

Em 2015, ela deu um passo importante em direção aos seus objetivos, realizando uma Pós-Graduação em Saúde Estética. Com sete anos de experiência no mercado, ela agora possui seu próprio consultório de Estética Funcional em Juiz de Fora.

Elisângela diferencia-se ao ir além da estética superficial e se dedicar ao cuidado do corpo como um todo. Ela enfatiza a importância de uma abordagem multidisciplinar, buscando compreender e tratar as necessidades individuais de seus pacientes.

A diferencial da ozonioterapia

Parte da pós-graduação em Sáude Estética, a Ozonioterapia tem sido um grande diferencial dentro do consultório do último exemplo de carreira que escolhemos para destacar aqui.

Célia Regina de Assis encontrou na pós-graduação uma oportunidade de melhorar a condição de seus pacientes e aumentar sua renda. Com experiência em reabilitação e especialização em dermatofuncional e oncologia, ela percebeu um aumento na procura por procedimentos estéticos durante a pandemia.

A ozonioterapia trouxe vantagens como diminuição de enjoo, redução de dores e melhora do ânimo para pacientes em tratamento de quimioterapia. Além disso, Célia viu a aplicação articular como uma possibilidade para pacientes com artrose, artrite e outras dores relacionadas. A ozonioterapia também oferecia benefícios sistêmicos para outras patologias, permitindo um tratamento diferenciado em sua clínica.

Graduada em Comunicação Social com Habilitação Publicidade e Propaganda, Leda é uma das redatoras do time de marketing Nepuga | Fapuga. Escreve também para os blogs parceiros Biomedicina Estética, Enfermagem Estética e Farmácia Estética.
Veja mais Noticias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This